Gente Que Escreve 022 – Escritor: Profissional Multimídia

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.

Sobre 

Fábio M. Barreto roteirista e diretor de cinema e TV. Baseado em Los Angeles, nos Estados Unidos, atuou como criador de conteúdo multimídia, mentor literário e é escritor premiado e com vários bestsellers na Amazon.com.br. Criador do podcast "Gente Que Escreve" e dos cursos "Escreva Sua História" e "C.O.N.T.E. - Curso Online de Técnicas para Escritores".

    Saiba mais sobre mim:
  • facebook
  • googleplus
  • linkedin
  • twitter
  • youtube

14 thoughts on “Gente Que Escreve 022 – Escritor: Profissional Multimídia

  1. Caros,
    Comentei com o Fábio no twitter que eu também ouvia Plunct Plact Zum e Pirilimpim quando criança. Lembra ainda de bem novo, ter gravado uma fita cassete contando a história da Rapunzel junto com o meu pai. Bons tempos.
    Há um tempo atrás fiz este audiodrama junto com o Harald Android Stricker para o Cinecast (Podcast sobre cinema) sobre o filme Cisne Negro. Depois disso, joguei fotos de diversas apresentações do ballet e joguei num canal do Youtube, só por farra.

    O Lago dos Cisnes
    https://www.youtube.com/watch?v=z2J7Mvuok4M

  2. Muito boa a pauta da semana… realmente é tempo de ampliar os horizontes literários. Que bom!!

    Acho que o trabalho mais recente do Dream Theater (The Astonishing) é um bom exemplo de “texto multimídia”. A banda escreveu a mesma história duas vezes: uma em forma de conto (com narrador em terceira pessoa) e outra em forma de letras de músicas (em primeira pessoa, cada música “cantada” por um personagem diferente).
    Me chamou a atenção o cuidado em manter a conexão entre as duas mídias, usando os mesmos termos em pontos chaves da história. A banda declarou que a história foi escrita visando também uma eventual adaptação para teatro ou cinema.

    O conto: http://www.dreamtheater.net/theastonishingtracks
    As letras das músicas: http://www.darklyrics.com/lyrics/dreamtheater/theastonishing.html

    Para quem gosta do gênero, recomendo ouvir as músicas, que transmitem os sentimentos de cada passagem de forma magistral.

    Tenho um amigo com um um projeto similar em andamento, livro + álbum musical, e recentemente discutíamos o tamanho do desafio… e da ousadia… heheh

  3. Olá Fábio e Robson,

    Parabéns pelo trabalho! Descobri o podcast a poucos dias. Ainda não ouvi todos, mas pretendo “voltar no tempo” e ouvir todos. Eu tenho uma relação um pouco diferente da de vocês com a escrita. Sou biólogo, tenho mestrado e doutorado e fui treinado nos últimos 10 a 12 anos a escrever artigos científicos, específicos para especialistas em revistas lidas apenas por estes especialistas.

    Sempre fui crítico deste sistema, por isso vou iniciar em maio de 2016 um blog sobre ciência, mas escrevendo de forma “descomplicada”. A idéia é apresentar conceitos científicos por meio de metáforas e analogias. Eu já iniciei a redação dos posts e tenho alguns já escritos. Inicialmente está bem no formato blog, mas pensei em fazer mini-crônicas onde o personagem poderia utilizar conceitos de ciência para se livrar das situações em que se meteu. Vocês tem alguma dica em relação a isso?

    Um dia quem sabe eu venha a escrever uma ficção-clientífica “científica”, no estilo Ponto de Impacto do Dan Brown.

    Um abraço

  4. Olá Fábio e Rob!

    Sempre gostei muito de criar historias, e recentemente me veio uma vontade louca de começar a colocar essas histórias no papel (ou no Word). Pesquisando, descobri o Gente que Escreve à pouco tempo atrás, e já ouvi quase todos os episódios. Ja escrevi muitas coisas, inspirados pelos seus conselhos e suas experiências, acredito que assim como a maioria dos ouvintes. Parabéns pelo ótimo trabalho, e espero ansiosamente que voltem logo a publicar novos episódios e inspirar e ajudar mais aspirantes a escritores.

    Um abraço

  5. Oi Fábio, oi Rob, beleza?

    Descobri o podcast de vocês a pouco tempo não ouvi tudo ainda, pois uso meu tempo para escrever e ler.
    Mas parabéns pelo trabalho.

  6. Uma nova mídia que aos poucos surge é o roteiro de vídeo game, alguns cursos de criação de jogos já tem uma matéria especializada em roteiro. Inclusive alguns escritores já estão se aventurando nessa área, como o próprio sr. Neil Gaiman que trabalhou no Wayward Manor, já lançado.

    1. “aos poucos”? Sua referência está bem desatualizada, Alberto. Roteiro de games já é uma realidade de mercado há pelo menos uma década aqui nos Estados Unidos. É um mercado bem rico, cheio de possibilidades e com muito trabalho no âmbito independente, afinal, narrativa é uma parte grande na indústria hoje em dia, basta ver The Last of Us e Mass Effect, por exemplo.

      1. Pois é… se até atores já estão trabalhando em vídeo-games (como a Ellen Page e o Willem Dafoe em Beyond: Two Souls), é porque existe alguém escrevendo roteiros para essa mídia há bem mais tempo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *