[Literatura&Cinema] O Soldado e a Maçã

Uma maçã descansa solitária sobre a pequena bancada.

É dia lá fora, as luzes atravessam os vitrais e a fina cortina branca. Tudo quieto. Quase todos dormem.
Um soldado observa a maçã. Sem tirar os olhos da fruta, ele toma um gole de suco e cutuca um dos dedos. Sua dedicação é obstinada. Ordens.

Vigie, observe, analise cada detalhe, imperfeição e particularidade daquele objeto à sua frente. Essas foram as instruções. Treinamento rigoroso.

É sua ducentésima tarefa. E a maçã é considerada o maior dos desafios.

Verde, perfeita, lustrosa. Suculenta.

Sentiu vontade de devorar a fruta apenas quando observou o morango, com aquele vermelho atraente e significado quase sexy. Adora morangos.

E, cada vez mais, passava a idolatrar maçãs.

Mas as horas de observação a transformavam. Lentamente. Detalhe por detalhe.

Exceto pelo pequeno talo marrom que existe em seu topo, nada mais existe para ser analisado.
Uma simples fruta. Sem cheiro latente. Sem marcas ou protuberâncias dignas de atenção.

Sua superfície lisa impressiona, mas entedia.

Por isso idolatrou a fruta no princípio. Perfeita e bela. Uma obra-prima da natureza. A prova de que a biotecnologia é invenção dos deuses.

Faltavam 10 horas para o final do teste. Anos de treinamento inexoravelmente enfrentando seu fatídico encontro com o tempo.

Em seu trono ele aguarda. Sem desviar os olhos, transformando cada olhar numa possível informação ou leitura. Mas sem sucesso. Não há mais nada de novo.

Anota tudo mentalmente ou em seu bloco de rascunho. Cada impressão, metodicamente registrada.
Horas se passam.

Luzes fortes brilham fora da janela. Ele não repara. Mantém focado em sua missão.

A noite cai.

A luz artificial o acompanha em seus últimos minutos.

A maça continua lá. Imóvel. Simplesmente existindo em esplendor.

O exercício termina. Ele pisca pela primeira vez.

Um minuto depois, seu instrutor chega. Segura uma faca.

No coldre lateral da calça camuflada, uma pistola. Seu rosto é sério, praticamente inexpressivo.

Militares. Muita conduta, mas pouca vida.

O garoto aguarda pacientemente. Ambos sabem que ele concluiu a tarefa.

– “Qual seu parecer sobre o dia de hoje, soldado?”, perguntou.
– “É uma fruta exemplar de dimensões…”, respondia quando foi interrompido.
– “Sei que é uma maçã e qual o tamanho dela. Quero saber qual sua conclusão sobre sua missão! O que você aprendeu?”, exige o superior.
– “A maçã tem… ela é… suas… suas..,”, perde-se. Seu trabalho é observar e fazer o que lhe é exigido. Foi assim nas 199 vezes anteriores, por que seria diferente agora?

Antes de continuar respondendo, a faca cai.

Um corte limpo e direto.

A maçã se parte em duas.

O cheiro inebriante toma o ambiente.

O soldado se esforça para não reagir. Está confuso.

Sem pressa, o superior morde um dos pedaços e mastiga calmamente.

– “É a melhor maçã que comi em toda minha vida”, diz. “Ela pode trazer vida a um faminto ou ser transformada em arte, mas você só pensa em fatos e no óbvio.” Sem cerimônia, ele se levanta. “Venha comigo”.

Eles saem da sala. Lá fora, os demais soldados da base cuidam dos feridos. A maior batalha de suas vidas aconteceu. E eles perderam.

Dentro de uma sala, o único homem capaz de compreender a situação tática e salvar seus amigos foi vencido pelo vício. Seu treinamento falhou.

Pandora foi perdida.

No lugar antes ocupado pela maçã, a faca. Cravada.

==

por Fábio M. Barreto

==

É assim que vejo os milhares de espectadores incapazes de olhar além do óbvio na história de Avatar. Índios, guerras e acusações de plágio desmerecem uma grande realização, uma narrativa nascida para mudar nossa percepção, mas vítima de nosso vício de ver sempre as mesmas alegorias. Existe vida além da maçã.

Sobre 

Fábio M. Barreto roteirista e diretor de cinema e TV. Baseado em Los Angeles, nos Estados Unidos, atuou como criador de conteúdo multimídia, mentor literário e é escritor premiado e com vários bestsellers na Amazon.com.br. Criador do podcast "Gente Que Escreve" e dos cursos "Escreva Sua História" e "C.O.N.T.E. - Curso Online de Técnicas para Escritores".

    Saiba mais sobre mim:
  • facebook
  • googleplus
  • linkedin
  • twitter
  • youtube

6 comentários sobre “[Literatura&Cinema] O Soldado e a Maçã

  1. É uma analogia mto inteligente e o texto é, de fato sensacional. Mas eu, sinceramente (sem pretensão nenhuma de ter qualquer opinião óbvia ou não sobre o filme só porque me disseram pra ter) acho que, se críticos profissionais ou amadores buscam nos plágios e na superficialidade da história os motivos para não considerá-la perfeita, é porque já é uma pretensão achar que ela muda de forma irreversivel e definitiva a história do cinema.

    No meu blog e na crítica que escrevi para o jornal em que trabalho, recomendo ver o filme em um cinema, a exibição em 3-d se possível. Levei em consideração tudo o que o filme tenta fazer, mas também não ignoro que o filme tem defeitos. Disso eu sei que você sabe e sei também que nem é disso que você tá falando.

    Pra mim o maior mérito de Avatar é a experiência audiovisual e sensorial do espectador no cinema, que impressiona pelas dimensões, pela profundidade de campo (os neo-realistas ficariam orgulhosos), pelo som perfeito. A narrativa, o contexto, todas as outras alegorias com a raça humana e o nosso tempo também estão lá. Mas sem a “casca da maçã”, não seria muito diferente de qualquer outra.

    1. Oi Otavio,
      Nunca peça desculpas para expor sua opinião aqui. =D Se há uma coisa que espero do meu trabalho é que ele gere discussão, como essa.

      Concordo contigo sobre ser pretensão achar que essa “história muda de forma irreversível e definitiva a história do cinema”. Meu ponto é mais delicado, mais subliminar. Lembra daquele texto do Hellboy II? Avatar me lembra muito daquilo, quando uma história permite tanto aprofundamento e diversas leituras, mas fica limitada a uma leitura prioritária na maioria dos espectadores. Por isso pensei nessa analogia. É como se tivéssemos sendo treinados para ver os filmes da mesma maneira e procurar sempre as mesmas coisas. Isso limita as possibilidades de ir além do que os diretores pensaram e, positivamente, viajar com a arte.

      Você está certo quando diz que “sem a casca da maçã”, ela seria igual. Mas é exatamente esse meu ponto: os filmes não tem que ser avaliados por partes, ou seja, nada de olhar efeitos e roteiro de forma independente e isolada. Cada filme é resultante dessas duas coisas, ou a combinação funciona, ou o filme falha. Não consigo entender rasgação de seda ao visual e todo o lance de “revolucionário”, se, na mesma opinião, os conceitos são destruídos. É contradição demais.

      abs,
      Fábio

  2. Awesome!
    Belíssima analogia!
    Infelizmente ainda há quem enxergue apenas diálogos rasos ou uma revolução tridimensional sem aplicação para os dramas. Quem pagaria para ver uma lágrima em três dimensões?
    Sendo ela verdadeira, não há dinheiro que a compre.
    Avatar é belíssimo e, posso estar exagerando, mas o coloco com louvor entre os três melhores filmes da década!
    Abraço e bom Natal!

  3. Nesse aspecto eu concordo. Avatar, como, digamos, uma maçã completa (rs), é uma boa fruta, que vem de uma boa árvore. Não desmereço o filme, não achei ruim e não achei que fosse um plágio (que arte hoje em dia não referencia a uma outra qualquer?), nem acho o James Cameron um diretor menor só porque o filme é um blockbuster de sei lá quantos bilhões de dólares. Assim como defendo titanic (de uma maneira diferente), acho que Avatar é um produto de entretenimento bem completo que consegue surpreender pela produção e também incitar alguns questionamentos.
    .
    Não acho que seja contradição dizer que, em certo aspecto, o filme cumpre melhor seus objetivos (no campo mais do enunciado que da enunciação, porque o James Cameron ainda não me contou quais eram os objetivos dele hehe) do que em outros.
    .
    Acho Avatar um filme imperdível e acho que há motivos de sobra para que seja um dos marcos da história do cinema hollywoodiano contemporâneo. Mas discordando também do @Wikerson, a sétima arte tem muito mais a dizer e de maneiras mais simples, com conceitos e discussões existenciais e humanitárias tão importantes quanto. (e nem precisa sair de Hollywood ou da lista do Oscar pra isso).
    .
    Não precisamos considerar Avatar o melhor da década (respeito opiniões, é claro) só porque foi um filme “feito” pra mudar a história do cinema. Ele não deixa de ser um filme ótimo se estiver de fora do top 10.
    .
    sempre gosto de discutir por aqui hehe

  4. Bela análise, Barretão. Eu fui um dos que enxergou os Navi como ìndios, mas adorei isso por já gostar muito desse tema. Acho que essa galera insistindo em destacar a história clichê, é a mesma coisa que aconteceu na época do TDK: a imensa maioria exaltando o filme, enquanto alguns se esforcavam pra encontrar defeitos. Alguns simplesmente querem se sentir especiais, mais inteligentes (ou sei lá o que) por irem contra o hype. Nesse caso do Avatar, é pior ainda, pois tem muita gente que não assistiu em 3D e fala com toda a conviccão do mundo que o filme não tem nada de mais… aí é uma avaliacão injusta.

  5. Olá, Barreto. Conheci o site faz pouco tempo e gostei muito mesmo dos seus textos e trabalho. É gratificante ver você incentivando e dando espaço para que as pessoas analisem o entretenimento tanto como um objeto de diversão mais descompromissado, quanto como um objeto de reflexão, extraindo o que não está projetado tão claramente.
    .
    Eu não compartilho muito da euforia quanto aos aspectos não visuais de Avatar, não foi algo que me emocionou ou que alterou a minha forma de perceber a realidade. Mas eu percebi que tenho uma certa má vontade com o filme, eu não sei se esse é o espaço para expor isso, mas vou arriscar com a permissão de vocês. O que me incomoda em Avatar é uma certa contradição entre a mensagem da história e as conseqüências no mundo real. O filme tem uma mensagem ambiental clara, mas vai servir irremediavelmente como “garoto propaganda” para promover a troca de aparelhagem no mundo inteiro, dvds por blu-rays, depois para blu-rays 3D e só Deus ou Gaia sabe o que vem pela frente. Nenhuma pessoa vai querer se sentir ultrapassada e assistir Avatar em um DVD normal. E nós sabemos o que esse sucateamento cada vez mais rápido de tecnologia e outras coisas causam, o filme de um robozinho da Pixar já nos mostrou o efeito. Eu sei que isso não é culpa somente do Avatar e do Cameron, mas me deixou com o pé atrás.
    .
    Barreto, li em um post acima que você escreveu sobre Hellboy II? Está aqui no site? Eu não encontrei e gostaria de ler, gosto muito do filme. Acho memorável o diálogo entre o príncipe Nuada e o Hellboy sobre o último representante da espécie dos farsgos (não lembro se esse era o nome). Por trás de toda fantasia é um filme bem simbólico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *