Gente que Escreve 039 - Fazer Chorar

Gente Que Escreve 039 – Fazer Chorar

Considerados por muitos como golpe baixo, textos de “Fazer Chorar” são uma marca registrada da narrativa humana, seja ela escrita ou falada, pois a emoção ainda é um dos denominadores comuns na nossa espécie. Logo, saber dominar as lágrimas alheias ajuda o leitor a se envolver totalmente com o texto e ainda mostra que o autor “manja”. Afinal, fazer chorar não é simples. Se for demais, perde a graça, se for de menos, ninguém sente nada.

Fábio M. Barreto e Rob Gordon comentam o uso dessa técnica no programa dessa semana e lançam um desafio: escreva o seu próprio texto para fazer o leitor chorar. Os detalhes estão no programa!

Ouça, comente e compartilhe!

APOIE O GENTE QUE ESCREVE

Na nossa campanha de Apoio Coletivo, você pode ajudar o Gente Que Escreve a trocar equipamentos, pagar os custos de hospedagem, investir em equipe, e, acima de tudo, garantir a assiduidade dos programas. O programa vai continuar com distribuição gratuita, então, mesmo que você não possa ajudar financeiramente, colabore divulgando para os amigos e participando da nossa comunidade tanto no Facebook quanto nos comentários dos programas.

Para conhecer a campanha e ver como você pode colaborar, visite a plataforma de sua escolha:
Apoia-se – clique aqui.
Patreon – clique aqui.

APRESENTAÇÃO

Fábio M. Barreto & Rob Gordon

EDIÇÃO DE ÁUDIO

Danilo Battistini

ARTE DA CAPA

Thiago Dalleck

LOGOTIPOS

André Zuil

DESIGN DO SITE

Alexandre Chaves – Fireball

LINKS RECOMENDADOS

Barreto na Amazon – Horror, FC & Fantasia, Suspense e mais!
Rob Gordon na Amazon – Só um, por enquanto!
Terapia – HQ premiada do Rob Gordon
Championship Vinyl – Blog do Rob Gordon.
Championship Chronicles – Blog de Crônicas do Rob Gordon.
Goodreads – Livros do Barreto na comunidade norte-americana.

DESAFIO DAS 3 PÁGINAS

Clique aqui e participe.

FEED DO iTUNES

https://itunes.apple.com/us/podcast/gente-que-escreve/id1042737562
Assine, comente e avalie!

FEED PARA OUTRAS PLATAFORMAS

http://feeds.feedburner.com/GenteQueEscreve

SIGA/CURTA AS NOSSAS REDES SOCIAIS

http://www.twitter.com/gentequeescreve
http://www.facebook.com/gentequeescreve
http://instagram.com/soshollywood
https://instagram.com/robgordon_sp
https://www.facebook.com/soshollywood
https://www.facebook.com/robgordonsp
http://twitter.com/fabiombarreto
http://twitter.com/robgordon_sp

SUGESTÕES, CR͍TICAS, DÚVIDAS E LIÇÕES DE FILOSOFIA ESPACIAL PÓS-EXPANSÃO.

Envie e-mails com “Gente Que Escreve” na linha de Assunto para: gentequeescrevepodcast@gmail.com

Sobre 

Fábio M. Barreto roteirista e diretor de cinema e TV. Baseado em Los Angeles, nos Estados Unidos, atuou como criador de conteúdo multimídia, mentor literário e é escritor premiado e com vários bestsellers na Amazon.com.br. Criador do podcast "Gente Que Escreve" e dos cursos "Escreva Sua História" e "C.O.N.T.E. - Curso Online de Técnicas para Escritores".

    Saiba mais sobre mim:
  • facebook
  • googleplus
  • linkedin
  • twitter
  • youtube

18 comentários sobre “Gente Que Escreve 039 – Fazer Chorar

    1. Primeiro, obrigada pelo episódio Fábio e Rob. Maravilhosos, como sempre.

      Marinalvo, fiquei pensando em sua pergunta e eu tenho uma colocação que talvez te ajude. Fabio e/ou Rob, corrijam-me se eu estiver errada. Não se trata de uma solução definitiva. É um caminho que você poderia seguir.

      Em episódios anteriores (não me lembro em quais, exatamente), Fabio e Rob falam sobre desenvolver sentimentos – ou características – em ações, por exemplo. Ou seja, ao invés de dizer “Flavia está triste”, é mais interessante descrever a tristeza de Flávia em uma ação ou buscar associações que façam o leitor concluir que ela está triste. Nesse mesmo caminho, ao invés de “Mario não gosta de desperdício”, o texto poderia ser “Mario é o tipo de pessoa que espreme o tubo de pasta de dentes no batente da porta”. Fica bem mais interessante, você não acha?

      Dessa forma, você pode despertar no leitor o sentimento que está descrito (ou faze-lo reconhecer alguma característica), sem defini-lo com uma única palavra.

  1. Quando Barreto começou suas recomendações de obras que trazem essa emoção eu pensei em “Cinema Paradiso” como obra perfeita que traz esse sentimento, mesmo com ele citando exemplos exclusivos da literatura eu continuei pensando “Cinema Paradiso”. Quando Rob começou a falar que seria um filme eu pensei “Cinema Paradiso”, quando a edição tocou uma das músicas do filme eu gritei (sorte que estava sozinho no trabalho): “Caralho, Cinema Paradiso.” Quando Rob finalmente falou “Cinema Paradiso”, confesso que me emocionei seja pela forte conexão com vocês como ouvintes, mas também porque toda vez que lembro do filme isso acontece.

    Excelente cast e diferentemente do que foi discutido no programa (que um repertório é fundamental pra comédia, mas não tão eficiente na tragédia), meu repertório e desejo por escutar “Cinema Paradiso” foi um golpe ainda mais baixo do que as belas palavras do Barreto sobre seu pai.

  2. Ouvi todos os episódios do podcast e esse foi o meu preferido até hoje… provavelmente por tratar do que realmente gosto: a articulação e tradução de sentimentos.

    Não consegui concordar muito com a ideia de que a identificação do leitor com sentimentos negativos independa do “repertório” dele. Acho que a experiência emocional afeta enormemente essa identificação. O exemplo mais óbvio para mim é a paternidade. Hoje sou pai e percebo claramente que a forma como sou afetado por histórias que mexem com a relação entre pai e filho é muito, muito diferente do que era antes. Mas claro que antes eu não tinha como saber disso.

    Obrigado por compartilhar um pouco de seus processos de transformação de humanidade em palavras. Acho que esse é o principal, se não o único, objetivo de toda literatura, seja nas descrições, nos diálogos, nos mundos e raças inventados, ou em qualquer tipo de narrativa.

  3. Quase um mês depois, eu venho aqui postar o meu texto do desafio. Eu escrevi com base no exemplo que o Rob criou no episódio, da mulher solitária. Espero que gostem!
    E aproveito para deixar aqui o meu agradecimento ao Fábio e ao Rob pelo podcast. Infelizmente eu não posso contribuir no Apoia-se, porque vida de estudante é um inferno onde toda refeição é miojo, mas quando as coisas melhorarem eu vou apoiar. Descobri o Gente Que Escreve há uns dois meses, mas já aprendi muito!

    Aqui vai o texto: https://cavernadecontos.blogspot.com.br/2017/08/solidao-pegajosa.html

Deixe um comentário