Rio 2016: além da festa…

blanka_rio

Rio fatura Olimpíada, Obama falha, Republicanos partem para o ataque, mas que benefício tudo isso traz para o Brasil?

Festa no Brasil! Alegria geral! Os Jogos Olímpicos de 2016 serão disputados no Rio de Janeiro. Pela primeira vez, a mais antiga das competições visita a América Latina, mas quem realmente está comemorando são os cidadãos de Chicago. Maioria não queria sediar o evento e chegaram a fazer campanha em favor da capital carioca. Rio feliz, boa parte de Chicago feliz, democratas tristes: Barack Obama bate na trave internacionalmente pela primeira vez.

Enquanto o COB fazia das tripas coração para emplacar o Rio de Janeiro, confirmar o interessante momento esportivo brasileiro – que vai receber os dois maiores eventos mundiais num intervalo de dois anos, Copa do Mundo em 2014 e, agora, a Olimpíada em 2016 – o senado norte-americano vetava a primeira tentativa da reforma do sistema de saúde nacional. Contanto até mesmo com votos negativos de democratas conservadores, a proposta para o plano de saúde opcional controlado pelo governo caiu. Nova tentativa, com novo texto e nova proposta, será votada na semana que vem. Face à derrota, Barack Obama cumpriu sua promessa de apoiar Chicago como sede dos Jogos Olímpicos de 2016 e, ao lado da esposa Michelle, viajou para Copenhagen.

Mesmo antes do anúncio, republicados e alguns democratas criticavam a decisão do presidente de dedicar alguns dias ao lobby esportivo em vez de decidir rapidamente questões como saúde e a iminente decisão sobre o envio de 40 mil novas tropas ao Afeganistão, sob pena de perder a guerra e se retirar do país depois de oito anos. Até então, a administração de Barack Obama registrada bons resultados internacionais, como a liberação pacífica das duas jornalistas presas na Coréia do Norte – graças a ajuda de Bill Clinton – e primeiros contatos diplomáticos com nações tidas como inimigas, entre elas o controverso Irã. Todos assuntos de relevância nacional, mas foi justamente o projeto pessoal, que provocou o deslize de Obama.

O histórico dos Estados Unidos mostra que apoio popular é fundamental para todas as suas guerras. De certa forma, a campanha olímpica foi uma disputa estratégica e afetaria diretamente a vida de parte da população local. Eles não queriam. Em pesquisa divulgada ontem pelo Chicago Tribune, 60% da população era contrária. Muitos deles fizeram campanha favorável ao Rio, incluindo um site temático ChicagoansforRio.com (que saiu do ar logo após o anúncio da decisão). Por outro lado, o Huffington Post divulgou pesquisa contrária atribuindo 72% de apoio ao evento.

A preocupação dos moradores de Chicago – refletiva por brasileiros na rede social Twitter – tem bases nos anos seguintes aos jogos em cidades como Atenas, claramente sucateada e cheia de dívidas provocadas pelo alto investimento estrutural. Obama acredita nesse tipo de investimento como positivo pelo aspecto da geração de empregos, especialmente por conta do constante aumento do índice de desemprego norte-americano (9,3%, maior desde 1983, com 263 mil empregos reduzidos só em Setembro); o senado e o congresso querem saber de saúde.

Chicago continua funcionando como para-raio de problemas políticos e sociais desde a eleição de Barack Obama. Depois do escândalo envolvendo o ex-governador Rob Blagojevich, a cidade ficou chocada com a morte de um estudante a pauladas e pontapés – que foi parar no YouTube – e agora coloca a estratégica da Casa Branca em xeque, afinal, todo o investimento envolvendo a viagem da comitiva internacional não trouxe nenhum benefício para o país. Talvez para os republicanos, opositores ferozes e dispostos a derrubar todas as propostas de mudança de Obama. Enquanto a derrota de Chicago foi um presente para John McCain e seus colegas, a vitória do Rio de Janeiro tem grandes chances de ser o maior presente de grego da Era Moderna… tanto para a cidade quanto para seus moradores. As lembranças do Pan-Americano ainda estão frescas e os US$ 14,4 bilhões de investimento anunciado pelo COI – maior orçamento entre as candidatas – vão, inevitavelmente, gerar denuncias de corrupção, desvio de verba e danificar nossa imagem internacionalmente.

Se o mundo não acabar em 2012, o Brasil vai ter a chance de ouro de fazer bom uso de tanto investimento. A esperança existe, mas que atire a primeira pedra quem pode afirmar fielmente que toda essa verba será utilizada em prol da população carioca e das cidades sede da Copa do Mundo. Em Los Angeles, boa parte das instalações construídas para os Jogos Olímpicos de 1984 ainda está em uso e mantida em ótimas condições, incluindo esportes menos populares como Arco e Flecha. Bons exemplos existem, mas se nem mesmo Atenas, berço da competição, conseguiu se manter, o Brasil precisa tomar cuidado. Se o presidente Lula foi instrumental na conquista da cidade sede, que se lembre da continuidade de seu trabalho e tome medidas para que isso não acabe com a cerimônia de encerramento. As delegações vão embora, os prédios e as dívidas ficam.

O legado para o Rio de Janeiro será decidido pelas escolhas do COB, do Planalto e do presidente. Que seja dos melhores, mas não há base histórica suficiente para ter boas esperanças.

– Fábio M. Barreto, que está orgulhoso, mas sabe da iminente roubalheira, superfaturamento e presepada durante a construção.

Imagem by @eviljovemnerd, o twitter fake do Jovem Nerd.

==

Quem tem que ficar triste é a CNN, por ter protagonizado essa cena:

Sobre 

Fábio M. Barreto roteirista e diretor de cinema e TV. Baseado em Los Angeles, nos Estados Unidos, atuou como criador de conteúdo multimídia, mentor literário e é escritor premiado e com vários bestsellers na Amazon.com.br. Criador do podcast "Gente Que Escreve" e dos cursos "Escreva Sua História" e "C.O.N.T.E. - Curso Online de Técnicas para Escritores".

    Saiba mais sobre mim:
  • facebook
  • googleplus
  • linkedin
  • twitter
  • youtube

13 thoughts on “Rio 2016: além da festa…

  1. Puta sacanagem com Madri que estava realmente querendo sediar os jogos.
    A animação das pessoas era visivel, já no Rio tinha uns 200 gatos pingados que encontraram por acaso um palco enquanto caminhavam pelo calçadão (claro que o número aumentou, depois de ser anunciado como vencedor).

    Boa sorte para os futuros presidentes que terão que adminsitrar duas obras importantes e caras.

    BRASIL
    VENCER
    http://img18.imageshack.us/img18/5462/rio2016.jpg

  2. Tomei um susto phoda… apostaria minha vida que o Rio não seria escolhido. Primeiro porque a capacidade nem se compara com à das outras cidades. Só isso já bastaria, mas ainda tem o lance de Copa e Olimpíadas no mesmo país, num espaço de apenas 2 anos! O COI deve ter cheirado maconha, só pode… nada explica essa decisão!

    Roubalheira, superfaturamento, atrasos nas obras… alguém duvida que vai ser um caos total? Arrisco até a dizer que há chances MUITO GRANDES de chegar perto da(s) competição(s) e a situção estar tão crítica, que vamos pagar mico de não poder sedia-la(s)… pedir arrego, ou vão fazer isso por nós.

    Acho que a candidatura tem toda a cara de Rio de Janeiro, aquela coisa da malandragem, da exaltação do jeitinho, daquele gosto por festa, sentimento de “nobreza”… lamentável que o Brasil todo acabe ficando com essa imagem.

    1. Apelo popular é fácil, carioca adora uma festa… e é só isso que importa? Apelo Popular? E capacidade financeira? Olimpiadas não é Pan. Copa não é Pan. Brasil não é EUA. Talvez não pareça, mas não sou anti-patriota. Defendo que a Copa seja aqui, acho que o país mais tradicional no futebol merece sediar o evento de novo. Acho que apesar de todos os problemas, reformar estádios e entornos é algo que PODE ser feito, e vai trazer benefícios. Mas ao mesmo tempo preparar outro evento de porte gigantesco… não boto fé. Acho que aí já é ego demais.

      Vamos esperar alguns anos, daí a gente conversa.

  3. Pingback: SOS Hollywood
  4. Quanta negatividade!
    eu penso nos milhares de empregos gerados, diretos e indiretos, na melhoria do transporte, da limpeza, da segurança, como aconteceu por aqui nos Jogos Panamericanos. Tudo tem seu pró e contra, mas nesse caso, penso que os benefícios serão maiores que os prejuízos. O otimismo é essencial em nossas vidas e apesar de toda a corrupção que existe não podemos negar os benefícios que as Olimpíadas, e antes a Copa, trará ao Rio e ao Brasil.
    Abs!

  5. Pingback: SOS Hollywood
  6. Pingback: Guto Guimarães
  7. Pingback: Bruno Baketa
  8. Pingback: Bruno Baketa
  9. Chicago is out? Chicago IS OUT? hehe.

    O Brasil vai ser o segundo pais no mundo a sediar uma copa e uma olimpíada em seguida ( o primeiro foi os EUA ). Creio que o saldo vai sim ser positivo, mesmo que o país gaste mais do que arrecade há outros ganhos como a infraestrutura, a educação e o respeito gerado para a comunidade internacional. Ouvi um reporter consagrado dizer hoje que a espanha quando foi sede nas olimpíadas de Barcelona passou para o chamado primeiro mundo.

    Acho importante sim, ensinar as crianças a serem desportistas, o espírito do esporte , da organização, educação, isso não tem preço. Dinheiro é passageiro, o conhecimento fica.

    Isso, é claro, se não acabar tudo em 2012. 🙂

  10. Na hora que eu vi a festa e o feriado no RJ a primeira coisa q eu pensei foi “pronto já sei para onde vai o dinheiro do Pré-Sal”. Tomara que alguns governos finalmente tenham chegado na maturidade e tentem não roubar tanto, afinal acho que até o futuro do país meio que depende tanto do pré-sal, quanto até das olimpíadas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *