[Review] 24: Redenção

Longa-metragem de duas horas retoma o melhor estilo de Jack Bauer ao dar o pontapé para a nova temporada com direito a conflito na África, maracutaias presidenciais e um novo vilão no meio disso tudo.

Jack Bauer quebrou tudo em seu retorno às telinhas. Esse é o sentimento causado por 24: Redenção, que redimiu tanto o personagem quanto a criticada equipe de roteiristas depois da sexta-temporada. A melhor definição para o telefilme de duas horas vem diretamente de Kiefer Sutherland, em entrevista ao SOS Hollywood, “24 at its best” (é 24 Horas no melhor de sua forma). E é impossível discordar dessa avaliação, especialmente depois de ver Jack Bauer peitando milícias africanas, defendendo crianças com a própria vida e mostrando que não abandonou sua humanidade.

A exibição de 24: Redenção foi o primeiro grande momento do domingo passado, que também marcou o final da primeira temporada de True Blood. Depois de um mês de propagandas pesadas e de tratamento de filme de cinema para essa estréia tardia em termos de temporadas norte-americanas, a Fox conseguiu ótimo resultado de audiência e mostrou inteligência ao lançar o título em DVD dois dias depois da estréia.

Toda a expectativa valeu a pena. Jack Bauer está escondido na África, no país fictício de Sengala, onde seu amigo Carl (Robert Carlyle) mantém uma escolinha para crianças carentes. Como todo filme passado na África, o lugar está à beira de mais um golpe militar, com milícias recrutando crianças para lutar contra o “ditador atual” e colocar um novo ditador no poder. Claro que os imbecis do momento vão topar com Jack e, sem fazer idéia de quem é ele, vão ver seus planos irem para o ralo. Mas o objetivo de Jack Bauer não é evitar o golpe, mas sim salvar as crianças.

Como sempre, Jack vive seus dilemas e, dessa vez, precisa decidir se encara sua missão humanitária até o final e volta aos Estados Unidos na marra, ou se pensa no seu próprio umbigo e aproveita a zona para sumir do mapa novamente. Decisão óbvia, mas difícil para o sujeito mais durão da TV. O roteiro se encarrega de decidir por ele, mas nada é gratuito ali. Afinal de contas, quando se trata de Jack Bauer, nada é simples ou fácil.

Mas nem só de drama africano vive 24: Redenção (cujo nome original era 24: Exile)que também tem seu pezinho na política e dá os primeiros elementos para o plot da sétima temporada. A presidenta eleita Allison Taylor está prestes a assumir o controle e nem imagina que o golpe de Sengala seja financiado por alguns membros do governo. O vilão do momento é Jonas Hodges, vivido por Jon Voight, um engravatado cheio de más-intenções. Allison percebe que algo está errado, afinal, o atual presidente decide ordenar uma retirada de Sengala horas antes da posse. Esse vai ser o mote da próxima temporada.

Jack faz de tudo. Mata rebeldes de tudo quanto é jeito (vale até chave de perna!), é torturado com facão incandescente – e não fala nada, claro –, volta a se encontrar com seu lado emocional e paterno (assim como na primeira temporada) e de quebra ainda salva um monte de crianças. Foi curioso ver Jack enfrentando gente que não faz idéia de quem ele é ou pode fazer. É aquela coisa meio Chelsea contra os reservas do XV de Piracicaba. Mas foi muito legal, afinal de contas, todo “general” africano se acha o poderoso quando está aplicando o golpe, mas aí dá de cara com o Jack e toma grandão!

O maior resultado de 24: Redenção foi a empolgação. Deu gosto voltar a embarcar na aventura com Jack Bauer e, melhor de tudo, sem se preocupar com quem o trairia dessa vez. Ele tinha uma missão quase divina e precisava ser um herói de ação, nada mais. Foram duas horas bastante proveitosas e, se mantiverem esse ritmo, a sétima temporada vai ser demais! Tony Almeida deve voltar, a presidenta pode ser a próxima previsão do futuro (já que Sarah Pallin e Hilary Clinton ainda têm muito chão pela frente) e a maracutaia vai rolar solta na Casa Branca. Mas nada tema, com Jack Bauer não há problema!

Ah sim, muita gente vai se lembrar muito do roteiro de Diamante de Sangue. E a semalhança é válida. Curiosamente, assisti ao filme do DiCaprio no dia seguinte à exibição de 24: Redenção e a sensação de deja vu foi muito estranha. Entretanto, acho que apenas o pano de fundo dos dois filmes é o mesmo, tendo suas histórias principais diferentes o suficiente para evitar algum tipo de cópia. O assunto dos “soldados mirins” não é novo, então, originalidade não é prioridade de nenhum dos dois nesse caso.

Vou até voltar a assistir a série depois disso. =D

Sobre 

Fábio M. Barreto roteirista e diretor de cinema e TV. Baseado em Los Angeles, nos Estados Unidos, atuou como criador de conteúdo multimídia, mentor literário e é escritor premiado e com vários bestsellers na Amazon.com.br. Criador do podcast "Gente Que Escreve" e dos cursos "Escreva Sua História" e "C.O.N.T.E. - Curso Online de Técnicas para Escritores".

    Saiba mais sobre mim:
  • facebook
  • googleplus
  • linkedin
  • twitter
  • youtube

21 thoughts on “[Review] 24: Redenção

  1. Desde que vi o trailer da 7ª temporada, no final do ano passado, fiquei empolgadíssimo e não via a hora do Redemption ir ao ar! Um ano sem Jack Bauer e Cia. foi pesado, mas agora estou mais que ansioso pela S07!

    E que venha mais 24 Horas! o/

  2. Fiquei muito curiosa! Claro que vou acompanhar a próxima temporada e qualquer jeito, eu AMO o Kiefer, principalmente como Jack Bauer.
    E adoro quando ele detona os caras que se acham o máximo ^_^

  3. Eu gotei de Redenção, mais estou mais empolgado com os epiusódios mesmo. Estou louco para ver o julgamento do jack e a volta do Tony Almeida…Sem conta que estou com saudades da Chloe.

    Até…Breve!

  4. 24 Redemtion é muito bom… vale a pena para quem é fã da série. Jack Bauer é o cara… deve tomar café da manhã com Chuck Norris todos os dias hahahahahahahhaa

  5. Achei mais do mesmo.
    Conspiração, tiros, maracutaias, intrigas governamentais, paranóia.
    Tudo que ja foi mostrado e explorado nas temporadas anteriores.
    E o filme não passa de dois episódios juntos.
    Se é que aquilo é um filme, pois não passa de um episódio de 1 hora e meia para introduzir a nova temporada.

  6. Felipe, 24 Horas é isso. Vc esperava o que? Jack dançando balé?

    E nem acho que se pode chamar de mais do mesmo, afinal, o cenário foi totalmente novo. Uma pena que a temporada vai se desenrolar nos EUA mesmo. Quero ver como vão tratar isso, já que a guerra e os principais vilões estão na África.

  7. Muito bom o filme 24horas arrebenta…

    SPOILER(ou não depende do ponto de vista)

    no momento em que eles estão fugindo do helicoptero perto do rio, entrando na mata mais precisamente 1h e 06min do video dá pra ver o camera de preto no lado esquerdo do video ri muito na hora…

  8. o filme é bom e me fez lembrar de Lágrimas de Sol com Bruce Willis não Diamante de Sangue.

    E que por coincidência ou não o vilão de Lágrimas de Soil é de 24:Redenção. o.o

  9. Eu não acompanho 24 horas (só acompanho Lost…) mas pretendo um dia assistir. Tenho um amigo que fala sempre sobre a série. Parece ser legal, um dia vou assistir.

    E esse poster desse 24 horas Redenção ficou simplesmente d+, muito bem feito mesmo.

  10. Td mundo fala q são 2 horas
    mas na real é 1h40min

    tinha um sonho q Robert Carlyle fosse fixo na temporada mas depois de 40 min, deu pra sacar q era só uma participação super especial, pena.

    bjos

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *