Queime Depois de Ler: Neurônio demais, humor de menos

Queime Depois de Ler recebeu muitos elogios da crítica, mas será que merece tudo isso ou é mais um daqueles casos de filmes que ninguém tem coragem de assumir que não gostou?

O talento dos irmãos Ethan e Joel Coen é inegável. Filmes como Fargo, O Grande Lebowski e o oscarizado Onde os Fracos Não Têm Vez demonstram a capacidade da dupla, que agora escracha com o gênero de filmes de espionagem e a imbecilidade das pessoas em Queime Depois de Ler. Sob a égide do humor negro e de não se levar a sério, o longa-metragem trilha um caminho perigoso entre os extremos da comédia, que pode passar de hilária a desconexa com grande facilidade, especialmente quando se trata de uma obra que vai atrair diversos públicos graças a seu elenco para lá de estelar com Brad Pitt, George Clooney, Frances McDormand, John Malkovich e Tilda Swinton.

A história é maluca, tão maluca que soa um pouco como os surrealismos de Charlie Kaufman. Um analista da CIA (Malkovich) é demitido, resolve escrever um livro, mas nem imagina que a esposa (Tilda Swinton) tem um amante (George Clooney). Decidida a pedir o divórcio, pois acha que o marido vai passar a viver à suas custas, ela rouba todos os dados do computador dele. Entretanto, por acidente, uma cópia do material vai parar nas mãos de dois imbecis: Brad Pitt e Frances McDormand; ele é um daqueles professores acéfalos de academia de ginástica, ela trabalha no mesmo lugar, mas colocou na cabeça que precisa de quatro cirurgias plásticas para se “reinventar” fisicamente.

O grande barato foi misturar esse monte de gente num rolo de proporções homéricas no qual ninguém sabe de nada e todo mundo tem a ver com todo mundo. No meio disso tudo está a chefia da CIA, mais perdida que cego em tiroteio. É uma sátira a quem se leva a sério, seja no meio da espionagem seja no meio cinematográfico. Entretanto tudo é feito com tamanha “normalidade” que a comédia custa a acontecer. Três personagens têm real potencial cômico – Pitt, Clooney e J.K.Simmons, como o chefe da CIA – e até cumprem sua função, mas não o suficiente para justificar tamanha carga de diversão atribuída a esse longa-metragem.

Por mais que soe como heresia para muita gente, a motivação por trás da trama é semelhante à do besteirol assumido Tenacious D – Uma Dupla Infernal, de Jack Black. Os músicos querem apenas pagar o aluguel e para isso peitam o Diabo em pessoa. O mesmo acontece em Queime Depois de Ler, com a personagem de Frances disposta até mesmo a vender “informações secretas” para os russos, tudo para conseguir pagar por suas operações plásticas. É a quintessência da imbecilidade moderna. A mulher arma um circo maluco, causa a morte de uma penca de gente só para conseguir fazer lipoaspiração? PeloamordeYoda…

Não há como negar, porém, que o resultado seja cáustico ao extremo e carregado de crítica social, incluindo boas sacadas sobre os sites de namoro, a falta de noção do sujeito moderno e também das instituições que “comandam” a sociedade. Tudo ali é extremo e não há meio termo. Se um personagem se considera inteligente, ele acha que é o melhor do mundo; quando é imbecil, o faz com louvor.

Tecnicamente é impecável, com grande trabalho de elenco e de enquadramentos, sempre bem feitos pelos Coen. É justamente a excelência técnica que prejudica Queime Depois de Ler, pois tudo é normal demais. O desenvolvimento dos personagens é próximo demais da vida real, faltando a eles o viés fantástico ou surreal capaz de destacar sua trama o suficiente para ser inesquecível. É um filme burocrático e pretensioso demais, a não ser para aqueles dispostos a encontrar genialidade onde ela não existe e comédia onde não há graça.

O que você acha? Deixe seu comentário e contribua para a discussão!

Sobre 

Fábio M. Barreto roteirista e diretor de cinema e TV. Baseado em Los Angeles, nos Estados Unidos, atuou como criador de conteúdo multimídia, mentor literário e é escritor premiado e com vários bestsellers na Amazon.com.br. Criador do podcast "Gente Que Escreve" e dos cursos "Escreva Sua História" e "C.O.N.T.E. - Curso Online de Técnicas para Escritores".

    Saiba mais sobre mim:
  • facebook
  • googleplus
  • linkedin
  • twitter
  • youtube

36 thoughts on “Queime Depois de Ler: Neurônio demais, humor de menos

  1. Nem sempre a gente tem que esperar que vá rir de um filme só porque parece que vai ser engraçado.
    O barato do filme é toda a situação, é ela que
    no final das contas faz o filme inteiro valer muito a pena.

  2. Eu achei um bom filme sim. Num eh aquele filme q c sai com a barriga doendo d tanto rir mas tem horas q eu chorei d rir com tantas idiotices dos personagens, tipo a hora q o Clooney “encontra” o Brad Pitt…eu quase chorei d tanto rir. Foi tão idiota q eu num conseguia parar d rir

    Mas admito q num seria um filme q eu indicaria pra qq pessoa…tem mtas piadas implicitas e falas q requerem as vzs um gosto diferente pra sacar

  3. Sabe que eu nem tava lembrando da existencia desse filme aí?
    E realmente os Cohen tem uma mega talento, tanto que até nesse filme aqui que “ninguém tem coragem de falar que não gostou” nem é de fato ruim, é só “apenas legal”.

  4. eu não vi este. To acabando minhas provas, e provavelmente só terei tempo para assistir em DVD. Mas o elenco promete, acho legal tua crítica, eu também acredito que “os filmes que ninguém tem coragem de assumir que não gostou” são tantos que são dignos de uma categoria própia. Motivo pelo qual eu prefiro assistir este tipo de filmes em DVD, em casa é mais fácil simplesmente desligar o aparelho, e não fica todo mundo te olhando com aquela cara de desaprovação.

  5. Cumpriu seu papel de entretenimento, mas está longe de ser um bom filme.
    Impossível ver esse filme e falar “Porra, filme foda esse!”, como a maioria dos filmes dos Cohen.

  6. Esse filme tem um dos roteiros mais intrincados e bem construídos dos irmãos Coen, desde o Grande Lebowski, eles não faziam uma comédia tão boa.
    Hollywood necessita de uma dose de massa encefálica, e os irmãos Coen sabem e muito utilizar as deles.
    Atuações memoráveis, trilha que chega a doer de tão irônica, absolutamente um dos melhores filmes dos Coen.

    E sim, dá pra se matar de rir pra caramba vendo o filme, só não ri quem não entende!!!

  7. Olha, não concordo de que achou Onde os Fracos Não Têm Vez chato. Achei um baita filme, ainda assim preferi Sangue Negro, mas o dos Coen valeu a pena. Aliás, estou terminando um artigão sobre ele.

    e outra, Queime Depois de Ler e OFNTV sao dois filmes completamente diferentes. Nao gostar de um nao necessariamente te impede ou desmotiva ir ver esse.

    @ Edson
    Foi exatamente o que eu disse, mas discordo de que seja o melhor deles depois do Lebowski. O Dude ainda arrebenta e esse tenta se mostrar tao descompromissado que nao exige inteligencia para rir, mas sim uma predisposicao muito grande. Brad Pitt e Clooney ja foram MUITO mais engraçados que nesse filme e fazendo coisas menos “inteligentes”. Nao acho que seja sem graca, apenas que nao seja tao engracado como a critica, e voce, consideraram. mas e isso ae. =D

    abs!

  8. Não vi ainda, mas pelo trailer e pelas críticas, parece ser ao menos um bo0m filme. Mudando de assunto, li hj uma matéria dizendo que Woody Allen, teria feito encomenda Vicky Cristina Barcelona, e por isso teria aquele visual todo bonito, e cara de prpaganda de turismo. Outro filme que não vi ainda.

  9. Acho interessante algumas pessoas que comentaram aqui que quem nao gostou do filme é porque nao é inteligente o suficinte para entender. Burro sao voces que acharam o filme algo que ele nem foi feito pra ser. nao é um filme inteligente. é exatamente o oposto. e é uma crítica a esse tipo de filme que as pessoas acham que precisa ser um pouco astuto e sagaz para interpretar as cenas. bando de babacas. é o que eu penso de quem se acha “cult” e pseudo-neointelectual.. nem sei se existe essa expressao. mas é algo bem tipico dessa gentinha aí que se acha.
    Minha visão sobre o filme? faltou muito para ser bom. não é engraçado o suficiente para ser comédia e não é inteligente para fazer pensar. ele não cumpre nenhuma das prerrogativas para ser um bom filme e fica alí em cima do muro. é um filme 70% muito chato e o resto fica por conta das cenas engraçadas do george clooney e do brad pitt. e nessas cenas sim, tinha potencial para uma comédia muito boa, mas foi pouco explorada na minha opinião.
    nota 4
    filme para se ver em casa quando sair na tv aberta, se te manter acordado até o fim.

  10. Bah, Barretão, fora a parte em que tu compara ao Tenacious D (porque não assisti), não poderia concordar mais contigo!
    Se alguém perguntar o que eu achei do filme, vou encaminhar tua resenha, certo!
    P.S.: J.K. Simmons dominou em suas aparições – indiscutível.

  11. Concordo com sua crítica. Pelo trailer, parecia ser um filme engraçadíssimo. Mas tirando as cenas do trailer, faltou comédia. Pitt, Clooney e o chefe da CIA (e seu assistente maluco) estão realmente muito bem. Mas acho que as personagens de Tilda e a de Frances sisudas demais. Sem falar q, a meu ver para explorar a “inteligência implícita”, várias cenas de ação são substituídas pelo after, quando personagens comentam o que aconteceu, sem mostrar os fatos. Sao cenas óbvias, mas que poderiam dar mais leveza e humor ao filme. Também achei a trilha sonora pesada e solene demais. Não é um filme ruim. Mas passou longe de ser o filme sensacional e a excepcional comédia de humor negro que estão falando.

  12. Vi o filme ontem e acho que foi o melhor que vi no ano. Tem muitas cenas engraçadas. Realmente, o humor demora um pouco para engrenar, mas as situações que acabam se desenrolando são geniais, na minha opinião.
    Me surpreendi com tantos comentários negativos, fiquei curioso, e gostaria de saber do pessoal o que viram melhor que este filme este ano no cinema.
    Os outros bons filmes que me lembro de momento foi Superbad e o do cara que morre no Alasca (embora muito longo).

  13. Cara.. filme é horrivel.. acabei de assistir no cinema… foi o dinheiro mais mal gasto do cinema depois do “spangles”…
    Fiquei até com sono… mas blza

    Gsoto é q nem…. cada um com o seu
    uhauhauhauhahuahuauha eu posso ta errado e o meu ser um gosto de me…

    abs

  14. Po, eu gostei. Longe de ser o melhor filme do mundo, mas eu me diverti. Achei a situação toda muito divertida. Acabou daquele jeito que deixa muitas pessoas putas e eu achei isto engraçado. ueahseiuahseuhias

    E tanto faz se o filme é feito pra ser isto ou aquilo ou o caralho.. pseudo-cult-neo-algumacoisa que nada.

  15. @ Dani
    Nonsense é Charlie Kauffman. Acho que foi aí que esse filme poderia ter sido melhor. Não assumiu ser nonsense descarado como Quero Ser John Malkovich ou despirocou de vez como Adaptação.

    @ Guilherme
    Tanto faz dependendo do modo como você entende o seu papel no processo do filme. Como consumidor, que é o meu modo de pensar, se eu vejo um trailer todo engraçadão, que me faz rir e parece bem sacado, entro no cinema para ver isso. Se o filme não cumpre o que prometeu, então não é um bom filme. Agora, usando alguém que entende mais do traçado do que eu, John Lasseter diz que “um bom filme precisa ter três coisas para ser bom: personagens marcantes e capazes de te deixar ansioso pelo próximo acontecimento; contexto verossímil – por mais maluco que possa parecer; e uma história atraente o suficiente para manter o público antenado.
    Queime Depois de ler cumpre duas delas, no máximo: personagens e contexto, mas falha na última. Já que a história fica naquele “quase chega em alguma coisa” o tempo todo.
    Ah sim, nao entendi o que vc quis dizer com “pseudo-cult-neo-algumacoisa que nada”.

    @ Breno
    Teve muita coisa melhor que esse filme em 2008. Changeling, do Clint; Batman; Na Natureza Selvagem; e a lista segue. Acho que esse foi problema desse filme, ele vai ser o ‘filme da dancinha do Brad Pitt’. Deveria ser muito mais que isso.

  16. “É um filme burocrático e pretensioso demais, a não ser para aqueles dispostos a encontrar genialidade onde ela não existe e comédia onde não há graça.”
    Falou tudo… e pelo visto, alguns desses “dispostos” já deram o ar da graça por aqui. Eeee mania de querer bancar o “eu-sou-mais-open-minded-que-você”…

  17. acho que não te avisaram que o filme é de humor negro.
    o filme é muuuuito engraçado e sobre ser um pouco desconexo… hahaha isso me lembra a opinião de uns pré-adolescentes que assistiram ao filme na minha sessão,sabe-se lá como eles conseguiram entra pra assistir ao filme sendo tão novos.

  18. Os outros bons filmes que me lembro de momento foi Superbad e o do cara que morre no Alasca (embora muito longo).
    _________________________

    porra! isso foi spoiler de na natureza selvagem ne?

    q merda!

    fora que essa carinha nem viu TDK

    pois bem, achei o filme muito bom.(ponto)

  19. po! acabei de voltar do cinema e adorei o filme! o tipo de situação absurda que me atrai. é legal como ele mostra a que nivel as pessoas chegam pra se satisfazer seus desejos e até uma certa ingenuidade dos personagens. não é um filme de comedia escrachada, mas eu nem esperava por isso. já fui pro cinema sabendo do tom do filme, então cumpriu bem as espectativas. com certeza um dos filmes mais legais que vi esse ano!

    quanto ao cara que falou que é o melhor filme que ele viu esse ano, exagero, né? e o batman? e o wall-e? nem compara. ainda assim, um ótimo filme.

  20. Só acha bom o filme quem só consegue se diferenciar da sociedade sendo o pseudo-intelectual e não tem outro pensamento considerável na cabeça.

    O filme é ruim, mas o pior são as pessoas que falam bem.

    Se isso é se divertir, imagina quando essas pessoas estão tristes. Que dó.

    Prontofalei.

  21. Um dos piores filmes que ja assisti, o filme leva do nada a lugar nenhum, o unico que se salva do filme, é o brad pitt, este sim pode se dizer que foi um personagem engraçado do filme, o resto é baboseira.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *