Max Payne: Frustrou!

Infelizmente, a promessa de “viver Max Payne” continua possível apenas no vídeo game.

Max Payne me frustrou. Estive em San Diego, na Comic-Con, e fiquei simplesmente alucinado com as cenas de ação, a falação sobre a tal Ghost Cam e toda a preocupação para fazer do filme a mãe das adaptações dos games para o cinema. Não foi nada disso e olha que a força de vontade era grande para gostar, especialmente por ter de entrevistar o Mark Wahlberg no dia seguinte. O roteiro tem uns disparates e seus bons momentos, mas não justifica tudo que foi falado a seu respeito. Sabe a história de que o trailer é mil vezes melhor que o filme? Bem, no meu caso, o material da Comic-Con mostrou tudo e o filme pronto não manteve o clima prometido.

Perguntei a vários amigos: você espera drama com ação / ação com drama / ou um montão de ação? Os mais velhos responderam a opção um, enquanto a galerinha queria era sangue! Confesso que fiquei no meio termo, querendo uma boa condução da história – já a trama está pronta há anos – e pancadaria sem dó nem piedade. Nem 8, nem 80. Fica ali no meio, com Max Payne mostrando para todo mundo que não liga para nada além de descobrir quem mandou a família para o beleléu.

Quer dizer que é ruim? Quer dizer que o filme ficou esquisito sob o aspecto de ação, pois as cenas são absurdamente doidas e a presença das Valquírias – aqueles seres assombrosos que aparecem nos trailers – cria um clima muito pesado. Por outro lado, porém, Payne parece um incompetente que investigou o mesmo caso por anos e só conseguiu chegar a algum lugar quando a Mona Sax – Mila Kunis – aparece na vida dele. Aliás, Olga Kurylenko, a nova Bond Girl também dá as caras, mas foi praticamente um bico filmado em três dias. Gata, misteriosa e logo sai de cena.

John Moore se defendeu dizendo que não queria exageros em termos de ação para não ter um Mandando Bala em suas mãos. Concordo com ele. Exagero enjoa, mas criar a tal da Ghost Cam – que filma 1000 quadros por segundo – e fazer três ou quatro boas cenas de ação não faz sentido. A cena em que Max Payne confronta um time da SWAT é bem interessante, mas não cumpre a promessa de “fazer o espectador entrar na pele de Max Payne”. Aliás, em apenas uma oportunidade a câmera é transportada para a ponta da espingarda do personagem e podemos sentir a alucinação dentro daquele mundo de extremos.

Todo o clima é acentuado com a presença de uma droga criada com fins militares e responsável pela criação de um tipo de supervilão com síndrome de superser. Claro que a tal droga está ligada à morte da família de Payne, mas é em sua composição conceitual que está a coisa mais interessante do filme: as Valquírias. As famosas criaturas da mitologia nórdica surgem como as responsáveis por recolher os guerreiros mortos em batalha, ou seja, os dignos de viver entre os deuses em Valhalla na próxima vida. No filme isso se traduz como um efeito da droga, uma vez que seus usuários conseguem vê-las.

Tudo ganha tons de batalha entre o Bem e o Mal. Claro, faria sentido caso houvesse limites para Max Payne. Ele dita as regras e ignora qualquer sinal de bom senso ou segurança para quem o certa. E é justamente esse sujeito extremo que perde tempo demais falando e pensando, em vez de agir de forma mais efetiva. Curioso notar que num filme tão “intenso”, falte sangue. Há muitas mortes, mas pouco sangue. Também há um bom número de personagens descartáveis e fora de tom ali. Logo de cara, um novato na delegacia aprende sobre a realidade de Payne. E some. Mais tarde, um líder criminoso a là Djimon Honsou em Constantine aparece, diz uma ou duas frases de efeito, e desaparece.

A impressão de que houve muito cuidado com o aspecto visual ao custo de mais preocupação com uma história capaz de se diferenciar de todos os outros filmes de “vingadores justiceiros” que o cinema entregou na última década. Existe toda a empolgação por conta do game, por finalmente vermos uma boa adaptação, mas tudo isso cai por terra. Max Payne é tecnicamente bem feito, mas faltou algo. Talvez autenticidade na atuação de Mark Walhberg, talvez roteiro mais conciso ou talvez um simples toque a mais de ação e objetividade.

Infelizmente, a promessa de “viver Max Payne” continua possível apenas no vídeo game. Quem sabe arrumam isso na seqüência, que vai rolar – fiquem após os créditos para conferir – em breve. É legal, mas não convence. Diferente do que disseram na Comic-Con, não foi Max Payne e nem Medium Payne. Foi, no máximo, Payne.

Sobre 

Fábio M. Barreto roteirista e diretor de cinema e TV. Baseado em Los Angeles, nos Estados Unidos, atuou como criador de conteúdo multimídia, mentor literário e é escritor premiado e com vários bestsellers na Amazon.com.br. Criador do podcast "Gente Que Escreve" e dos cursos "Escreva Sua História" e "C.O.N.T.E. - Curso Online de Técnicas para Escritores".

    Saiba mais sobre mim:
  • facebook
  • googleplus
  • linkedin
  • twitter
  • youtube

5 thoughts on “Max Payne: Frustrou!

  1. Concordo, sem tirar nem por. mesmo.
    Não sei se tava esperando muuuuito do filme, por ser fã do jogo e ter pirado com o trailer, mas podia de fato ser melhor. Faltou na ação, faltou no enredo, faltou no personagem.

    Dá pra traçar um paralelo com o homem aranha dos quadrinhos/desenhos e o do filme. O dos quadrinhos faz piadinhas enquanto luta, rola um sarcasmo e uma ironia que o bobao do filme perdeu. No Max do jogo, o personagem tem aquelas frases profundas de efeito, que marcam o seu estado de espirito e a sua personalidade “a sorte era uma piranha, e eu nao tinha dinheiro para pagá-la”. cadê isso no filme?

    Cadê a ultima frase no alto do prédio que é tao importante, uma vez que o jogo começa e termina com ela?
    “todos mortos.. o ultimo tiro foi um ponto de exclamacao em tudo que havia acontecido ate agora. tirei meu dedo do gatilho. estava tudo acabado”.

  2. A certa altura do filme fiquei me perguntando: “como esse cara não consegue ver óbvio”. Depois aquela coisa do herói salvo pelo vilão (duas vezes), que ainda por cima, entrega todo o jogo.

  3. Acabei de ver. Parece que algum cachorro comeu a história do jogo, e a merda que saiu foi o filme.

    Sequência? Alguém prenda esse homem por danos morais antes que ele comece a fazer o 2!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *