[Curta] Distress

Ação e mistério se misturam em Distress, curta-metragem de estreia de Fábio M. Barreto!

Acabou a espera! Hoje é a estréia de Distress, meu primeiro curta-metragem. Já falei bastante dele nos textos do SOS College e quem acompanha a jornada no Twitter já deve ter ficado entediado com tantos detalhes e indas e vindas. Bem, hoje acaba!

Chega de falar. Com você, Distress. Estrelado por Claire Falconer, Ryan Nelli e Luiz Eduardo Coutinho, e dirigido por este repórter mais do que nunca, apaixonado pelo cinema.

Se você tem internet de alta velocidade e Televisão HD, sugiro o download do arquivo para assistir na TV. A definição está configurada para esse tipo de equipamento e o som ouvido num home theater é um absurdo de legal! :p

Para assistir diretamente no Vimeo, clique nesse endereço (ou copie no seu navegador): http://www.vimeo.com/soshollywoodfilms/distress

ou no YouTube.

Sobre 

Fábio M. Barreto roteirista e diretor de cinema e TV. Baseado em Los Angeles, nos Estados Unidos, atuou como criador de conteúdo multimídia, mentor literário e é escritor premiado e com vários bestsellers na Amazon.com.br. Criador do podcast "Gente Que Escreve" e dos cursos "Escreva Sua História" e "C.O.N.T.E. - Curso Online de Técnicas para Escritores".

    Saiba mais sobre mim:
  • facebook
  • googleplus
  • linkedin
  • twitter
  • youtube

110 thoughts on “[Curta] Distress

  1. E eu não estava tão longe do enredo mesmo!! hehehe..

    Parabéns.. Adorei as imagens, as tomadas.. Fiquei pensando nos olhos da mulher o tempo todo. A expressividade do olhar dela no começo ditou o filme.. O cenário foi mesmo muito bem escolhido.. E claro que homens deveriam sempre saber que mulher tem algo na manga, e deveriam deixar de serem tão arrogantes! hehe.. Uma mulher é bicho perigoso!! hehe

    Parabéns Fábio.. É o começo de uma carreira, que pode até não trazer milhões (bate na madeira, pq vc vai ter milhões seja lá do que for!) mas certamente vai te dar algo muito melhor: prazer de fazer algo muito bacana e bem feito..

    Está lindo… E eu sei que vc sabe que tem pequenos detalhes a melhorar, mas realmente vc está de parabéns!! Adorei…

    Quero outros!! LOL!!

    Um enorme abraço….

    1. Muito agradecido, dona Polly!

      Não disse que vc tava em cima? hehehehe. Acertou e isso é ótimo, pq tem que ter percepção para entender a dinâmica ali. Gosto de personagens femininas, o mundo ainda é machista demais e elas pode surpreender mais que os homens. :p

      bjs e valeu por sempre estar por aí!

  2. Rapaz, num é que ficou bom! (sim sou um incrédulo em tudo…)

    Trilha sonora e narrativa bens ativos no curta, propositalmente ou não quase são os protagonistas; pessoalmente adoro isso.
    Parabéns, que você consiga muito sucesso!

  3. Ficou muito legal.
    Parabéns.
    Imagino que, depois de tanto trabalho e planejamento, seja ótima a sensação de ver seu curta pronto, o orgulho de ser responsável por aquilo.
    Falando nisso, adorei acompanhar tudo pelo twitter.
    Estou curioso: o corvo foi “contratado”?

    1. Você não faz ideia. Bem, vc viu no twitter. Cada problema, cada coisa legal. Eita processo maluco. :p

      A pergunta do corvo: o corvo estava lá, estava filmando algumas cenas para Second Unit, quando ele fez barulho, demorei uns segundos para achar, aí cravei nele e consegui filmar tudo aquilo. Obra do destino… ou não! 😉

  4. sensacional!

    já vi e revi…
    quero o BD, com extras!!! hahaha

    falando sério, trilha muito boa, narrativa mto bem feita, e eu gostei mto da atriz, mto expressiva ela, o “cara de preto” tbm =D
    caracterização, desde figurino, cabelo, locação, excelente, libera o budget aí… hehe

    já vi muito curta, e posso dizer com segurança q vc nao começou nada mal ;D

    1. Vai ter DVD com extras, trailer e, claro, o filme! :p

      A produção foi bem bacana mesmo. Ralei, e gastei, muito ali. :p Bom ver que deu resultado. Gosto muito. Ok, sou suspeito, mas é o que mais gosto no filme em termos de estrutura.

  5. Poxa, correndo o risco de ser repetitiva eu adorei!!!!! Não entendo muito da parte técnica de cinema, mas amei a fotografia e a trilha sonora, e achei bem ousado fazer o seu primeiro filme assim com a tanto movimento da câmera, achei o final sensacional!!!

    Perguntinha: é realmente baseado num coto a ser escrito pela Ariel???? kkk adorei isso!!!

    Parabéns! Boa sorte e espero em breve um longa by Fábio M. Barreto, viu? (mas ainda espero o livro)

    bjos

    1. Oi Gabi,

      Então, a Ariel me deu o argumento. “Princesa correndo pela floresta e sendo perseguida por um Bad Guy”. Eu vou escrever o conto. Por isso os personagens tem nomes nos créditos. :p

      Obrigado pelos comentários. É sempre bom ver que os amigos prestigiam. :p

      E quem sabe nao aparece um longa, né?

      Bjs,
      Fábio

  6. adorei! a atriz mandou bem demais, a maior parte do entendimento do que está rolando fica por conta do que o olhar dela nos “fala”! gostei tbm do guerreiro que morre, mandou bem tbm o cara… e o final é simplesmente sensacional! cenário ótimo (simples e totalmente dentro do contexto) e iluminação idem, saiu do lugar comum (filmes de suspense normalmente são noturnos e escuros). a trilha sonora tbm está perfeita, ela tbm conta boa parte da história, é quase uma personagem! 😉
    ñ sou expert, falo apenas como fã de filmes, rs. ah, gostei mto das tomadas do corvo…
    parabéns!! futuro promissor, hein? =D
    bjos

  7. Opa, amanhã mesmo assim que chegar do trabalho, terei o PRAZER de assistir ao primeiro trabalho cinematográfico do meu amigo Fábio. Analizarei cada frame.

    Abs!!!

  8. Parabéns! Ficou muito legal. Acompanho seu trabalho aqui no SOS e em outros lgares como no Cinema com Rapadura e fiquei realmente feliz por você ter realizado esse filme. Espero outros! Abraços =)

  9. Eita barretão!!!

    Muito bom mesmo! Parabéns.
    Achei aquele “fade” antes da cena final, primoroso. na hora certa. me chamou mta atenção, valorizou o olhar da atriz e o gancho pra acabar. Veio todo com cortes secos e um fade na hora exata! dá-lhe timing! euauaheuaehuae

    trilha, figurino e luz tbm boas! mandou bem demais!!!
    quero cópia do dvd com autografo! =)
    Abraço!

    1. Fala Daniel! hahaha

      Vc nao sabe como tô feliz que alguém sacou a inserção do fade. :p

      A meu ver, melhor do que forçar algum efeito tosco ou tentar fazer a cena desaparecer.. :p

      Devo ter DVDs em breve, mas to pensando em fazer algo para investir no filme seguinte. Será que o pessoal toparia ajudar?!

      Abs,
      Fábio

      1. Ah cara! Como colecionador, to dentrasso! eahhauehaehaeh

        Mas vai ter que autografar um por um! E manda esse curta pro festival aqui de Londrina, hein! tem mandei o link por twitter esses dias! Tem o fantaspoa tbm, só de filmes de fantasia!

        Abraço e vamos mantendo contato!

  10. Parabéns Fábio, o curta prende a atenção desde o começo e surpreende no final. Fica um gostinho de quero mais.

    A trilha, a locação, o figurino, os atores, formaram um conjunto elegante e cativante.

    Realmente vale assistir com som de qualidade, fica uma experiência bem envolvente, a história é bem conduzida pelo trilha (musical e natural) e cria todo o clima da história.

    Quando vem o próximo???

    Sucesso!!

  11. Uma história diferente, um desfecho inesperado. Gostei! 🙂 A trilha, a locação, a fotografia e, é claro, toda a saga aqui no blog e no twitter… realmente deu pra ter uma ideia do que é essa vida louca de quem trabalha atrás das câmeras. Todos os envolvidos — equipe, atores — estão de parabéns.

  12. Barretão velho! Parabéns caba!

    Gostei do filme! Me deixou inspirado! Ver você começar a carreira de cineasta com um filme de gênero e ainda mais fantasia é algo que me alegra.

    Conversei com você no twitter agora pouco (era eu o Rafah_gd da UFPE) e como te falei, filmes de gênero raramente são feitos em Pernambuco. Eu não consigo me lembrar nesse momento de um sequer. Só me vem a cabeça curtas experimentais ou de narrativas muito obscuras.

    Aí vejo um curta de estréia como o seu, fantástico, bom belas tomadas, um cenários sensacional (cara, esses galhos de árvores retorcidos são o máximo), uma narrativa clara, simples e não por isso pouco interessante e com um ótimo efeito no final! Poxa, isso me deixa muito inspirado e te agradeço por isso.

    Não sei se quero ser o cara responsável por uma revolução aqui no Brasil. Só sei que quero fazer o que gosto. Então se for pra mudar por aqui, prefiro fazer um caminho inverso. Começar fora e voltar (quem sabe). Tu me falou pelo twitter que estuda em uma faculdade barata. Qual o nome dela? Pra eu dá uma pesquisada! Me formo em dois anos e coragem não me falta para viajar (só grana haha)

    Parabéns pelo teu trabalho cara! Olha, infelizmente não to podendo acompanhar o SOS de perto por que a faculdade tá me apertando! Mas vou me esforçar mais.

    É isso! Vo falar mais não se não tu não lê mais hahaha

    1. Esse é o maior objetivo de tudo isso. Não tenho ilusões de querer ser diretor profissional, quanto mais ficar rico com isso. Mas, se for o suficiente para incentivar algumas pessoas, já tá valendo o esforço. Pessoalmente, tá sendo um tesão, mas, por enquanto sou jornalista. Quem sabe no futuro.

      E nunca pense que você não pode inspirar. Tudo que fazemos causa efeito, contanto que não tenhamos vergonha de mostrar. Vejo muita gente que escreve ou até mesmo faz filmes e resolveu guardar. Bobagem.

      Enfim, vou sempre fazer filmes de gênero. Nada de fazer o que o mercado pede, já tem gente demais defendendo idéias dos outros. :p

  13. Opa xará, só pude ver agora, parabéns, ficou bem legal o curta. Quem sabe daqui a alguns anos não estaremos vendo um filme cuja história seja centrada em um universo baseado na Idade Média dirigido pelo Barretão hein. Ou melhor, uma ficção-científica hehehe.

  14. Achei muito bem elaborado… e na boa, qualquer coisa sem diáologo eu acho mais difícil do q botar um monte de gente pra falar besteira…

    ficou FODA!!!

    fora a trilha sonora… caralho!!!! depois vou ver de novo… e comentar em cima dos comentários da galera

  15. Muito bom, cara, fantástico. Um plot simples, mas interessante e muito bem trabalhado, com um final inesperado, intrigante e arrebatador. Um brasileiro fazendo cinema de fantasia é coisa rara (não vamos contar com a Xuxa, né XD), ainda mais com uma qualidade como essa que voce nos apresentou… Fabio, voce pretende inscrever o filme em festivais ou apresentar para outros podutores?

    A Nikon P100 que você usou é sua mesmo? Se sim, você ja tinha ela ou comprou especialmente para o filme?

    Alguma chance de liberar o roteiro para nós lermos, Barreto? XD

    Mes passado eu comecei a escrever um roteiro para um curta-metragem, que caiu como uma luva para um trabalho de literatura pra escola (fazer um curta de ate 10 min baseado numa obra literária, com uma premiação em 5 categorias no meio do ano). O roteiro que eu havia feito tinha uma trama original (meio limitada por eu pensar logo em questoes financeiras, tecnicas, de elenco, cenarios, etc), mas baseado num conceito exposto no livro “Elogio da Loucura”, de Erasmos de Rotterdam. Tive que batalhar um pouco com o professor pra ele aceitar… E quando fui apresentar o projeto pro meu grupo, mais rejeição: algumas pessoas criticaram o filme por não ter açao nem comedia, por ter so duas falas (dois “oi”) e um final meio em aberto; ou siplesmente por nao entender o conceito da trama… Depois de um tempo, toparam fazer o meu, contanto que eu dirigisse tambem um outro filme para eles, com mais “apelo ao publico”. Senti o drama de um diretor mais autoral procurando por uma distribuidora… XD
    Enfim, comprei uma camera pra poder filmar melhor (Canon SX130, fazer o que, nao sou rico e moro no Brasil), e filmei a maioria das cenas esse sabado…
    Fabio, se voce pudesse ler o roteiro e ver o curta quando ele tiver pronto, avaliar ou ate dar umas dicas, se nao for muito trabalho… XD

    1. Oi Gabriel,

      Brasil tem que fazer fantasia, FC, ação, todos os gêneros. Chega de filme sobre pobreza ou comédias for dummies.

      Festivais: já estamos no Festival Independente do MuBE e no Curta Santos.

      Nikon Coolpix P100: minha, mas ela é camera fotográfica, lembre disse. Se for comprar algo para filmar, compre outra!

      Roteiro e storyboards serão liberados até o fim de dessa semana.

      Manda seu roteiro para contato@soshollywood.com.br que eu fou uma olhada.

      Abs, parabéns pela SUA iniciativa e obrigado!
      Fábio

  16. Barretão, cara, que orgulho. Conhecer alguém que tem a capacidade de fazer uma coisa maneira dessas!

    Espero que seja apenas o primeiro de muitos filmes que vão vir por aí!

    Esse curta é ótimo porque faz você pensar mil coisas por segundo e ficar imaginando qual a história da personagem principal. Essa Fiona From Hell realmente me deixou intrigado!

    Sensacional!

  17. Barretão,

    Que estréia meu amigo, que coisa maravilhosa. É o pequeno inicio de uma grandiosa carreira. Espero e desejo tudo de melhor na nova carreira e empreitada.
    e agora vem o que você mais ouviu até então:

    CARA, QUE FINAL FOI AQUELE MEUDEUSDOCÉU.

    Parabéns e muito sucesso.
    Nos vimos em Hollywood.
    C’ya !

  18. Hoje fiz uma dobradinha. primeiro ”Lost Highway” de David Lynch e depois ”Distress” de Fabio Barreto.rsrsrs
    Parabens,você conseguiu contar uma ótima estória sem nenhum diálogo,usando apenas sua câmera e o trabalho dos atores.muitos diretores famosos não conseguem isso hoje em dia. Abarços

  19. Começando com a parte ruim(curta)
    1) Achei não-natural a caminhada que a protagonista faz quando caminha para longe da árvore, antes de aparecer o título do curta. Ela se jogou muito para frente.
    2) Muito aleatório a mãe e a criança aparecendo, hauhauahu. Espero que no conto faça sentido.
    Agora a parte boa:
    Tudo muito bom! A trilha sonora, o som natural, o corvo, o figurino, a iluminação, o local e meu deus, o que é aquele final! Deu aquele gostinho de quero mais.
    Ótimo trabalho! Parabéns, Barretão!

    1. Oi Thiago:

      1) Não vejo problema ali. Era o title shot, então ela tinha que abrir aquele espaço e nao foi se jogar pra frente, ela estava descendo uma pequena inclinação. :p

      2) Eles são sobreviventes da vila. O conto vai trabalhar isso. Mas foi uma cena obrigatória pela tarefa do professor, um ponto de vista em terceira pessoa.

      Valeu e OBRIGADO pelas perguntas! :p

  20. Alguem aí acredita que só na sétima conferida no curta consegui escutar: “Witch, don´t move” ?
    Também, fica assistindo no notebook com o som baixinho pros colegas não perceberem o que vc tá fazendo….
    Mas, eu fiquei foi com dó dos pezinhos da Claire…Barretão, não rolou uma massagenzinha pra sua estrela depois não?

  21. Eu estou tentando achar a “additional voice” do Edu Sales no filme. Ele fez o Corvo??? LOL

    Brincadeiras a parte, muito legal o seu primeiro filme, Mr. Barreto.

    Me surpreendi com o plot twist no final. Eu já tinha comentado da inconstância do horizonte criar esse efeito legal de incerteza, eu não sei… mas eu gostei muito. Cenário, trilha sonora, figurino… ficou muito bonito.

    Boa Sorte nessa nova caminhada!

    🙂

  22. Fábio,
    A curta-metragem foi, como o próprio nome indica, curta porém intensa. Em toda a curta, senti a aflição da mulher, a emoção que ela transmitiu, a lágrima sincera e o sentido de vitória no final (e q final foi aquele?!?! Uau!)
    Gostei imenso, como disse no Twitter, da expressão dos olhos dela e como as imagens apareciam ofuscadas no seu olhar. Pequenos detalhes que fizeram de Distress algo com pernas para andar e um futuro P. Jackson com certeza 🙂
    Abraço e boa sorte em Distress 2
    😀

        1. Sobre a trilha: Vi agora nos créditos o nome rsrsrs

          Deve ser uma experiência única ao finalizar um curta, né? No twitter a gente via seu empenho, os contratempos do dia-a-dia e as superações. É muito bom ver o “final” dessa jornada.

  23. Acompanho o Barreto do rapaduracast, mas quando soube do curta vim conferir, apesar de não ter costume de ver curtas.

    Quando vi pela primeira vez achei umas coisas meio estranhas e aleatórias, mas agora assistindo pela segunda vez com fones de ouvido e em fullscreen consegui ligar melhor umas coisas com outras.

    Em geral achei um curta legal, o som está ótimo e a protagonista trabalhou bem.

    Não gostei muito das posições da câmera em certas tomadas, como por exemplo pro volta dos 2 minutos quando a câmera tenta seguir os atores.

    O caçador andando que nem o Jason também ficou meio estranho pra mim, pra depois aparecer, dar um susto e dá uma corridinha só por desencargo mas parece que ele deixa ela ir na frente.

    Os sobreviventes, para dar uma compreensão melhor, poderiam estar mais sujos, com carvão na cara e tal, ou em uma tomada que não fique aparecendo uma coisa aleatória.

    As pichações nas arvores eram propositais ?

    A cena do cara “morrendo” foi muito boa !

    1. Fala Leandro, como vai? Valeu por prestigiar! :p

      Sabe que eu também não via muitos curtas? Aí fui meio que obrigado, inclusive fui procurar os curtas universitários do Lucas, Scorsese, Cameron, Nolan e cia. Coisas interessantes ali. 🙂

      Vamos aos seus comentários:
      1) tá falando daquele pan da protagonista? depois que o vilão aparece? é, ficou meio tremido mesmo. Tive um problema sério com o tripé, pq a camera era leve demais e todo o conjunto se movia quando eu virada a camera. no próximo isso nao vai acontecer. :/

      2) hahahhaa. Jason foi boa. Estava com isso em mente, de fato. Mas dá para perceber lá pro final que ele não tava com toda aquela vontade de chegar perto dela pq “quem tem, tem medo”. haha. O Dado era o único não ator ali e havia limitações, entretanto, gostei do que ele fez. Mas o que vc diz faz sentido sim.

      3) Sobreviventes: vc sacou que eles foram sobreviventes, olha só! Pouca gente comentou esse fato. Bacana. Pois é, sim, sujeira teria ajudado. Ali foi mescla de tempo acabando e inexperiência. Essa cena foi feita na troca de cenário, antes de irmos para a caverna e o monitor do parque começou a pressionar demais, dizendo que teríamos que sair e tal. Tive que fazer às pressas, parar, ligar para o FilmLA para estender o prazo por mais 1h30, num lugar onde nao tem sinal (tava no meio do mato, basicamente) e ainda pensar em fazer o final do filme. Ali foi culpa minha. Por exemplo, devia ter filmado com maior distancia, nao feito um medium shot. Enfim, lição aprendida.

      4) as Runas de Poder? :p

      5) a cena dramática é meu maior orgulho nesse filme. Simplesmente amo aqueles minutinhos ali.

      valeu pelos comentários e obrigado por aparecer por aqui!
      Abs,
      Fábio

      1. 1) Precisamente de 1:55 até 2:04 e outros poucos momentos.

        3) Desculpa estragar sua alegria mas eu só descobri que eram sobreviventes depois de você comentar em uma resposta aqui. =p

        Esperando os próximos, curtas ou não ^^

  24. (Antes tarde do que nunca! :D)

    Parabéns, Fábio!!!!! Cada minuto me deixou debruçada sobre a mesa, querendo mais! Adorei a iluminação, que poderia facilmente ter caído no lugar comum do ‘dark’, como eu esperaria em uma perseguição. Também me chamou a atenção o som dos pássaros e da floresta durante todo o tempo, e na cena em que o soldado caído vê a moça eu pude sentir a emoção. O cara mandou muito bem. E os efeitos no olhar dela, quando vê o ataque, show! E não vou comentar o final para não estragar para os outros. Adorei!!! ^_^

    1. Oi Angie! 😀

      Yeah! Mais uma que vai ganhar a camiseta “Distress: Eu Entendi!”. rs

      Obrigado, querida. A cena da morte do Warrior é a minha favorita. O filme se justifica ali para mim. Fiquei emocionado na hora e fico emocionado sempre que assisto. 🙂

      Bjs e cuide-se. Em junho tem mais! 😀

  25. Fábio,

    Te parabenizar pelo (excelente) filme seria mera repetição de tudo que já foi dito por todos acima. Mais do que dizer que eu adorei (e divulguei pra todos os meus amigos) eu quero dizer do orgulho que sinto de ver você batalhando, um brasileiro que está lutando e vencendo na terra do cinema.

    Vejo em você hoje não apenas um exemplo de profissional como jornalista, correspondente, blogueiro e podcaster, mas alguém que não está acomodado. Alguém que está lutando pelo seu sonho. E essa luta não é fácil, cada passo é difícil e doloroso, eu já passei (e ainda passo) por isso. Mas é gratificante como poucas coisas na vida são.

    O que espero no futuro é vê-lo como um diretor brasileiro no cinema americano, fazendo blockbusters ou filmes autorais, não sei (a escolha será sua), mas fazendo acima de tudo filmes de qualidade e com criatividade. Bagagem pra isso você tem de sobra.

    E espero estar presente na premiere de seu primeiro longa!!!!

    Fortíssimo abraço!!
    Claude A. Wickihalder (a.k.a. Sr.Millionerd)

    1. Valeu Millionerd!
      A menção ao seu nome nos créditos é mais que justa e foi muito legal poder ter usado uma claquete profissional durante as gravações! 🙂
      E fico feliz demais que tenha gostado. Afinal, a ideia de vc ter ajudado e odiado estava me assombrando aqui! ahhahaha.

      Um grande abraço,
      Fábio

  26. Que coisa boa, cara. Poder falar do primeiro curta do Fábio, e melhor, poder falar BEM. Quem conhece os gostos cinematográficos desse maluco, já sabia qual seria a vybe. Um Peter Jackson Ridley Scottriano, kekeke…
    Brincadeiras a parte, achei a trilha muito importante pra essa cena, foi o equilibrio do filme. Esse aspecto da fotográfia que apesar de ter um tom bem intenso e meio brilhante, destaca com o contraste escuro, o sofrimento que está aconcetecendo naquele lugar. A atriz também segura muito, atpe nos closes do Fábio no rosto dela, não fica aquela forçada. A parte em que o guerreiro vai em cima quando ela está bebendo ágora é um fator interessante pro final. O aspecto da personagem não é o de uma pessoa realmente desesperada e que está aflita pra salvar sua vida, sim que ele continue a segui-la.
    Fico a imaginar que a guerra onde ela ver tudo queimando, pode até ter sido causada por ela mesmo. Seria uma uma bruxa ou assassina? Kekekeke…
    Enfim, eu acho que o Fábio conseguiu mostrar bem suas influências nesse filme. Algo meio épico, mas com um obscuro no final das contas.

    Valeu FABÃO, muita sorte, meu fi…

    Abs!!!

  27. BOOOOOOOOOOOOA, Gigante Barreto! Nem vou soltar um “#EuJáSabia que seria FODA” a tua primeira empreitada cinematográfica pra não ser óbvio, mas… né? E o que foi esse final, puta merda! =D

    Agora… uma coisa que eu já sei a resposta, mas não posso JAMAIS deixar de fazer: KD ISNOL GLÔUB??/?/?//

    Abracetas, meu querido! =D

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *