Vivendo com as estrelas [II]

gangs.jpg

Logo que voltei a LA, escrevi esse post. No dia seguinte, porém, trombei com mais uma estrela, desta vez da infância: Henry Thomas, o garotinho do E.T. Gosto dele, não só pelo E.T., mas também de filmes mais recentes em especial o Gangues de Nova York. Onde encontrei o sujeito? No mercado! É impressionante como os fotógrafos desocupados ainda não descobriram o Albertson’s de Los Feliz como nicho de fotos feias de atores sem maquiagem ou realizando o simples ritual de escolher o donnut ou a bandeja de carne.

Acabei nem postando, pois ficaria meio chato tocar no mesmo assunto duas vezes seguida. Guardei como nota mental para o futuro. Só que anteontem mais uma experiência estelar aconteceu no meu cotidiano e tenho que compartilhar com vocês.

Já falei que tem a Mexicana dos tacos aqui na esquina? Então, o nome do lugar é Yucca’s, bem conceituado quiosque de tacos, burritos e outras cossitas mexicanas em Los Feliz. Sabadão parece barraca de pastel, gente saindo pelo ladrão!

Bom, fui ao Yucca’s comer um burrito, pois a fome era grande e a preguiça de cozinhar era maior ainda. Pedi meu delicioso quitute latino e fui até a mesa mais próxima para aguardar a tiazinha gritar “Fabiôôô” ou “Frank”! (?!?) É, ela escreve o nome no pratinho onde vai a comida – higiênico até! – e nesse dia ela escreveu Frank! Vai entender. E depois eu, por lavar louça com água fria é que sou anti-higiênico.

Fábio ou Frank, lá estava eu. Aí passa uma anãzinha com cara de poucos amigos. De cara deu aquela impressão de conheço de algum lugar. Aí ela pediu a comida e a voz chamou a atenção novamente. “Opa, mais um famoso para a listinha”, pensei intrepidamente tentando decifrar quem era. Tem vez que é difícil, juro!

Olhei uma, duas, três vezes. Aí veio a resposta: Rachel Bilson, a Summer de The O.C. Mas será?! Não tinha nada do appeal da personagem, o cachecol não ajudava, a Cicatriz gigantesca no lado direito da boca também não. Cicatriz? Nossa, nunca notei. Ou será que eles tiram sempre? Pode ser. E aquela cara de “comi cocô, não gostei e ainda sobrou para a janta” desanimou.

Podia ser um dia ruim, problemas. Sem emprego, talvez? Acontece com todo mundo, não vou julgar por algo que apenas vi e nem interagi. Bom, eu tinha certeza, mas como todas as proporções são outras na vida real – e ela, se muito, batia no meu peito – cheguei a pensar que estava enganado dessa vez.

Enquanto pensava nisso… “Fraaaak”. “Fraaaaank”, e olhou pra mim. Bom, naquele dia eu era o Frank. Fui até lá rindo e falei “Fábio” e ela “errei de novo”. A idade minha senhora, a idade! Mas ela é gente boa e me divirto lá.

Eu, ou melhor, o Frank, comia seu burrito e tentava impedir que os feijões saíssem correndo quando a voz retorna: “Reichêlllll”. Bingo, era a moça! Ela deu um risadinha sem graça pra tiazinha e aí deu para confirmar que se tratava da ídala de The O.C. e a namoradinha do Hayden em Jumper.

Só espero que a moça esteja mais feliz e que não seja mais uma para o grupo dos “ai que nojo”. Enfim, mais uma para a listinha dos astros avistados pelos globos oculares barretônicos!

rachel_bilson_wallpaper2.jpg

Sobre 

Fábio M. Barreto roteirista e diretor de cinema e TV. Baseado em Los Angeles, nos Estados Unidos, atuou como criador de conteúdo multimídia, mentor literário e é escritor premiado e com vários bestsellers na Amazon.com.br. Criador do podcast "Gente Que Escreve" e dos cursos "Escreva Sua História" e "C.O.N.T.E. - Curso Online de Técnicas para Escritores".

    Saiba mais sobre mim:
  • facebook
  • googleplus
  • linkedin
  • twitter
  • youtube

13 thoughts on “Vivendo com as estrelas [II]

  1. Eu já pensei nisso, Franco.. aliás, quando encontrei o Sylar eu estava com a câmera, mas nao gosto muito de apurrinhar os caras. Nunca fui muito tiete, sabe.

    Aliás, respondendo ao que me perguntaram no post do Indiana: rola o momento foto apenas com alguns entrevistados, tipo a Miley Cyrus, mas, na maioria das vezes, a gente fica sentado à mesa aguardando, aí os atores entram, concedem a entrevista, e vão embora na mesma hora.

    Tem repórter feliz que sai correndo pra pedir foto. Às vezes rola, às vezes nao e, normalmente, quem faz isso são os caras que vieram para o oba-oba e com tudo pago. As equipe de LA sao mais comportadas e sabem que não podem se queimar por uma foto.

    Acabo guardando tudo na lembrança mesmo. 🙂 Ou aqui para vocês! Mas, claro, esqueça tudo isso que eu disse, pq é tudo mentira ou eu copiei de algum outro lugar.. HUAUHUHAHUAHUAUH

  2. Tem que ser assim masmo cara, mas uma foto de vez em quando não faz mal.heheeheh

    E esses que vão pro “oba-oba’depois ficam contando vantagem pros leitores, falando que eles são foda e tal, como se tivessem o rei na barriga.

    E se algum dia você tirar uma foto de algum famoso fazendo merda e vender pra algum jornal lembra que eu dei a ideia de tirar a foto e me manda uma parte da grana! eheheheheh.

    Ate +

  3. Grande Fabio,
    eu tava sem saber noticias suas, bem, faz um tempão que não nos vemos, agora acabo de ler os dois ultimos posts, e cara… meu dia ficou muuuito mais feliz! E quando chegar em casa, tenho certeza, a Edi tbm vai ficar.
    Continue assim, Parabéns por esse trabalho maravilhoso, se tem alguém que merece com certeza é vc!
    Se cuida, e não se esqueça que “mi casa és su casa”.
    Abração!
    Fred.

  4. Chooooooora Borbs! XDDD

    Anyways, acho paia ficar tirando fotos… Sei lá, dá um momento de “privacidade” pros coitados! =D

    Vale mais a pena guardar o momento mesmo e contar pros outros com euforia XDD

  5. Barretovsky!
    Bem, que a Bilson era minúscula, eu já tinha essa impressão. Em “Um beijo a mais”, por exemplo, fica nítido.
    Mas vai saber qual é a real da mulher, né? Além do que ela não vai ficar amiga íntima de nenhum de nós (não a banda!) pra se saber mesmo.
    Enfim, deve ser um lance bacana ficar vendo essas celebridades pra lá e pra cá. Tipo tia mineira no Rio de Janeiro!

    Agora, mata aqui uma curiosidade perpétua: o que afinal de contas é um burrito? Ou que compõe esta iguaria?

  6. @Porcão

    As duas peças básicas da culinária mexicana são o Taco e o Burrito.

    Como a pergunta é o Burrito, vamos ao tipo básico. Manja a Panqueca? Então, imagine a massa de panqueta, ou a de crepe – mas bem fininha e cosida – que tem é enrolada em torno de diversos elementos: carne (bovina ou suína), feijão (pasta ou em grãos), vinagrete, arroz (em alguns lugares, tipo TacoBell) e, para quem gosta, Jalapenho, aquela pimenta maldita. Eu não gosto.
    Pegue tudo isso e enrole com a tal massa. O visual é meio que um panquecão sem molho e “cru”.

    Bom, será que consegui me explicar? hahaha
    abs!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *