Fogo e medo na Califórnia

O relógio marcava 4 da tarde de ontem. Cansado depois de um fim de semana inteiro trabalhando, estava feliz por ter acabado de entrevistar Reese Whiterspoon e segui o caminho de casa. Dirigir em Beverly Hills é sempre bom por conta do visual, das lojas e dos carrões que fazem minha BMW parecer brinquedo de criança. Mas dessa vez foi diferente. O calor era incômodo, mas faltava algo: o Sol. Há três dias a o Sul da Califórnia não sabe o que é ver o Sol. Parece um daqueles mau agouros de filmes de ficção científica, quando alguma mudança climática esquisita antecede o fim do mundo ou algo assim. Tudo por conta dos incêndios que, novamente, afetam o estado.

Essa é a segunda temporada de incêndios que enfrento em Los Angeles, entretanto, pela primeira vez sinto os efeitos diretos das queimadas. Na oportunidade anterior, acompanhei pela TV, visitei um dos locais e só. Dessa vez, senti na pele o que é viver num dos lugares mais inflamáveis do mundo. O vento forte que ajudou o fogo a se propagar e destruir mais de 500 casas também trouxe toda a fumaça para Los Angeles, que já não tem o melhor ar do mundo normalmente. A capa cinzenta e agourenta formada pela poluição dos carros e esse acúmulo de cinzas fez com que a noite chegasse às 5 da tarde de ontem. Algo surreal.

Os hospitais registraram aumento de 20% nas emergências respiratórias, o município instrui as pessoas a ficarem dentro de casa e ficarem fechadas no carro com o ar condicionado funcionando. No início da noite, o grande número de pessoas vestindo máscaras era incômodo. Lembrei de cenas que envolviam aqueles ataques terroristas no Japão ou qualquer outra situação extrema que envolva perigo respiratório.

Tentei tirar uma foto da Placa de Hollywood para ilustrar esse texto, mas ela estava escondida atrás da fumaça. Consegui vê-la por alguns segundos, mas logo a “nuvem” voltou a cobrir o maior símbolo da cidade. Embora os incêndios aconteçam fora de Los Angeles, os efeitos são drásticos. O trânsito piorou absurdamente, unidades dos bombeiros não param de cruzar a cidade para auxiliar pessoas com problemas respiratórios e também têm problemas extras com o aumento de acidentes causados por redução da visibilidade em alguns pontos. Lá se vão três dias de combate ao fogo, mas as perspectivas ainda são ruins. As chances de chuva são mínimas e enquanto a ventania não parar, os bombeiros não podem fazer muito mais do que evacuar áreas de risco e evitar vítimas.

Na semana em que foi realizado o maior treinamento da história para o grande terremoto que pode atingir a Costa Oeste dentro do próximo ano (46% de chances), a Califórnia perde mais uma batalha para seu maior e mais constante inimigo: o fogo. Ano passado, as chamas chegaram ao Griffith Park, dentro de Los Angeles, e ameaçaram a famosa Placa de Hollywood. Desta vez, o perigo se manteve distante do coração da cidade, mas o medo por aqui continua. Seja pelo fogo, seja pelo terremoto. E, dessa vez, nada disso é roteiro de filme catástrofe com o Tommy Lee Jones pronto para salvar todo mundo.

Sobre 

Fábio M. Barreto roteirista e diretor de cinema e TV. Baseado em Los Angeles, nos Estados Unidos, atuou como criador de conteúdo multimídia, mentor literário e é escritor premiado e com vários bestsellers na Amazon.com.br. Criador do podcast "Gente Que Escreve" e dos cursos "Escreva Sua História" e "C.O.N.T.E. - Curso Online de Técnicas para Escritores".

    Saiba mais sobre mim:
  • facebook
  • googleplus
  • linkedin
  • twitter
  • youtube

4 thoughts on “Fogo e medo na Califórnia

  1. “Grandes coisa” coisa Barretão!
    Vem morar em Cuiabá na época de queimadas no estado de MT, que você vai saber o que é o Inferno na terra (se bem que este ano diminuiu uns 70%).
    São em média 2 meses de céu coberto por fumaça.

  2. Ei, cuide bem da minha e da sua filhinha. OK? Não há fogo que possa assustar um super-herói da crítica internacional. Não é? Aliás, seus textos estão mostrando a sua incontestável qualidade de crítico de cinema e TV, além de um ótimo ledor da política internacional. Obama que o diga…Passos firmes…para que o fogo inimigo fique sempre atrás das linhas do sucesso!!!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *